aquilo que a gente quer.

Acordei com uma vontade enorme de mudar de ares. Um novo emprego, um hobby para chamar de meu, tinta nos cabelos, sei lá. Qualquer coisa para sair da rotina. Pesquisei Cursos a Distância, viagens para locais paradisíacos, comidas exóticas e resolvi fazer uma daquelas listas extensas de coisas para fazer ao longo da vida (e prometi cumprir em menos de 3 anos cada um dos itens).

Percebi que com o tempo nos tornamos acomodados. Quantas coisas eu queria fazer lá pelos meus 13 anos e quantas delas consegui? Pouquíssimas. Os sonhos vão mudando com a gente e tornando-se tão realistas que não podem mais ser chamados de sonhos; tudo se torna desejo: comprar um celular, uma casa, um carro ou ter uma família. Só. Ninguém almeja mais aquela viagem de filme, o casamento da realeza ou a casa estilo mansão; basta conseguir pagar a parcela do acordo no banco no final do mês e sobrar um dinheirinho pra cerveja.  Basta acordar, basta ter um relacionamento médio, basta sobreviver.

Não sei quem foi que disse que a ambição é uma coisa totalmente ruim. Acho mais nociva a falta desse sentimento que a presença dele.

Quando paramos de almejar as grandes coisas nos limitamos – como se estivéssemos presos pelo pé e só pudéssemos caminhar dentro de um cercadinho. Se falta dinheiro, não gastamos. Se falta tempo, nos conformamos. Se falta amor, nos acostumamos. Como se as coisas fossem mesmo assim, imutáveis, como se não fôssemos diretamente responsáveis pelos sonhos que deixamos para trás em detrimento da vida real. Se não temos objetivos grandes, não tem sentido caminhar. Se optarmos por viver como uma mera sucessão de dias, estaremos sendo irracionais. Afinal, temos memória para armazenar boas histórias, temos alma pra sentir mais que qualquer outro ser vivente. Porque parar de sonhar se é tão bom alcançar um grande objetivo? Porque SÓ SONHAR quando somos inteiramente capazes de chegar onde quisermos?

A alegria, de fato, está nas coisas simples. Que não precisam ser fáceis.

Você também pode ler

4 Comentários

  1. Belas palavras de incentivo! Confesso q tô nesse meio aí, bem acomodada e sem “sonhos”. Aliás, uma vez tinha parado pra pensar q nunca tive nenhum grande “sonho”, achei isso deprimente! rsss
    Bjos!

  2. a-do-rei. é bem assim que ando me sentindo ultimamente, bem ambiciosa para essas coisas, tipo mudança de ares, de trabalho, de rotina, ou até mesmo de mudar a cor do cabelo. isso é viver e não simplesmente existir. com uma certa dose de equilíbrio, desejar assim as coisas não é ruim. é valorizar a vida e enfrentar os desafios para realizar esses sonhos. beijo!

  3. Post incrível. Estava discutindo isso esses dias. Tem uma hora que você deve querer ter o kit vida montadinha: casa, carro, anexo. Por que? Estou decidida a deixar os sonhos livres, então suas palavras fazem um sentido absurdo por aqui. Gamei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *