não é amor.

A minha conclusão sobre todos esses anos de aconselhamento quanto aos problemas amorosos alheios é a seguinte: o amor não é um sentimento.

Agora você me pergunta: como assim não é um sentimento, Ericka? E as borboletas no estômago? E a vontade de não largar a pessoa nunca mais? E as saudades, flores, romantismos? E essa dor que eu sinto de pensar em perdê-lo, que nome tem?

Isso tudo, pessoal, são reações às ações positivas ou negativas de alguém, mas não é amor. Amor é uma decisão, é a escolha mútua de fazer bem, de estar junto, de respeitar, dar carinho e atenção a alguém que não possui nenhum laço sanguíneo com você.

O amor é chato. Exige compromisso e preparação; coisa que quase ninguém possui ou gosta de ter.

O amor é aquilo que ainda resta quando todo o resto acaba. Não parece óbvio?

O ódio é um sentimento. A inveja, a angústia e a tristeza são sentimentos. O amor não. Se o amor fosse sentimento seria involuntário; os feios legais não estariam solteiros – nem alguns apaixonados, infelizes.

O amor é uma reação às atitudes positivas de alguém, do casamento de personalidades, de uma boa companhia e de um sexo bacana –  não sejamos hipócritas. O amor é quando você sabe que tem alguém no mundo mais bonito, mais forte, mais rico, mais inteligente, mas que ainda assim, com todas as 7 bilhões de pessoas no mundo – melhores, claro – não existe ninguém que combinaria tanto com você do que a pessoa que você está. E que sorte sentir isso.

O amor é a renúncia da balada quando o outro está doente, é a festa de família, é o curso de final de semana que estragou a viagem.

Na paixão, dizer amar é fácil, é físico, é fluido, é natural. Duro é amar na miséria, na crise de identidade, na TPM, no desemprego.

ESCOLHEMOS amar alguém, assim como podemos escolher não amar. O que dói é a ausência, a saudade da parte boa, os planos não realizados, a falta de alguém. Não se sofre de amor. Se sofre de solidão.

E às vezes é melhor fingir amar e inventar problemas que não existem que não sentir nada.

Você também pode ler

5 Comentários

  1. nossa, adorei a definição. perfeita. ao meu ver paixão é sentimento. e como você disse, amor é decisão, postura, escolha. sem mais.

    P.S.: obrigada pelo seu comentário lá no meu blog, fiquei honrada com a visita, colega geminiana! mesmo! 😉 beijos!

  2. Gostei do post, entendi o quer dizer…Mas se não houvesse amor, então não deveria uns aos outros como Deus ordena que façamos. O amor existe entre duas pessoas, sim, porque foi Deus quem nos ensina amar e está escrito em toda parte na palavra, e a paixão onde está nela?. O amor que Deus nos ensina é ter paciência, suporta, espera e ajuda. Pelo menos, com Deus , eu aprendi amar.
    bjs♥

  3. Gente, e o Shakespeare que não sabe escrever o próprio nome? O que eu sinto pela internet é amor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *