uma praia para amar.

Emissário submarino, por Mauricio Mascia.

 

Encontrar-se em uma cidade é como apaixonar-se por alguém que sempre esteve lá e você nunca deu valor; ninguém escolhe, afinal, onde deseja nascer, que nem pai e mãe: são eles é que escolhem conhecer a gente.

Poderia falar de todos os casos de amor e ódio, dramas e crises, poderia contar como é bom caminhar pelo calçadão da orla e da sensação de conforto ao enxergar o enorme peixe na entrada da cidade quando volto de São Paulo para cá, mas Santos é bem mais que isso; é um lugar para chamar de meu. Uma cidade que me traz de volta todas as sensações de estar um pouquinho mais próxima da sanidade, um pouquinho ao lado de Deus. Pode parecer exagero, mas quando piso na areia é mais fácil respirar. Sair à noite é leve, as pessoas são simples, a comida menos gordurosa. Os amigos e as idéias são fáceis, soltas, como se por alguns instantes não existisse mais a correria da semana, os problemas pessoais ou o stress.

Há quem reclame da praia, que não é tão bonita, quanto a do litoral Norte. Há quem diga que não há nada para se fazer aos finais de semana pela baixada e que todo mundo se conhece e não sabe, um saco, mas não há quem consiga se sentir confortável quando sai daqui.

Santos não é só um lugar para envelhecer com qualidade de vida, como dizem por aí, é também um lugar para crescer, amar, estudar, conseguir encontrar a si mesmo sem precisar sair do lugar. Uma vez nascido e criado na praia, é difícil gostar do concreto e das coisas da metrópole, como se os pés precisassem de um respiro, como se fosse necessário ouvir o mar, andar de bicicleta ou encontrar-se com os amigos lá no Emissário, num fim de tarde à toa,  para experimentar o melhor churros do mundo.

Quando somos jovens temos a falsa ideia de que é preciso viajar para conhecermos um pouco de tudo aquilo de bom que se deve ter, quando, na verdade, precisamos mesmo é conhecer a nós mesmos.

Santos é provinciana, quadradinha, não precisa de GPS, nem de radar, não precisa de celular com wi-fi e nem de mais de 50 reais para se divertir com tranquilidade. Você encontra um pouco do luxo, um pouco do que há de simples, um pouco de cozinha refinada e um excelente pastel de feira. Em Santos é impossível se perder. A não ser que seja de amor por cada pequeno momento que você nunca mais consegue esquecer ao encontrar-se por aqui.

E foi em Santos que eu aprendi a valorizar as coisas simples. E a entender que mesmo depois de ir e voltar, diariamente, não existe nada como estar em um lugar que a gente pode chamar de lar.

Você também pode ler

12 Comentários

  1. Nossa terrinha amada!
    o emissário é meu lugar preferido, ainda mais após a reforma.
    bom para sentar a noite, ouvir o barulho do mar e ter um bom papo… lindo para o dia, estender a toalha, comer umas frutas, tomar um sol, papear e ler um bom livro… realmente, Santos é lindo.
    Sorte nossa!

    beijo grande.
    Aline.

  2. Acho q ninguém nunca descreveu melhor oq eu sinto em relação a Santos.Por mais q eu nem curta ir pra praia pegar Sol,não troco aqui por nada!
    Saudades de vc!!
    ;**

  3. Santos! Santos!Santos, sempre Santos!
    Aqui nasci e me criei, nunca morei em outro lugar…Esses dias meu marido estava comentando sobre o custo de vida em cidades do interior como por exemplo Águas de Lindoya e aventou a possibilidade de mudar de cidade quando nos aposentarmos, na mesma hora eu ralhei: “Cê tá maluco! Eu sou caiçara! Caiçara entendeu?” E caímos na gargalhada porque ele no fundo também não se imagina morando em outro lugar.
    Enfim Ericka mas eu não passei aqui pra falar de mim e sim pra elogiar o seu Hipervitaminose que é uma centelha de luz na escuridão, um blog diferente, original, no meio de tanta gente que faz e escreve a mesma coisa. Parabéns! Visitarei sempre!
    Abraço,

    Anna Carla.
    http://cadernodecabeceira.wordpress.coml

  4. Cada um com a sua opinião, né?

    Já conheci lugares piores que a nossa província, sem dúvida!

    =]

  5. Adorei seu depoimento e me sinto assim tb em relação a essa cidade que me faz muito feliz!

  6. Sinto saudades do tempo que Santos para mim era exatamente como você descreveu. Por motivos que você já sabe, essa cidade não tem mais o mesmo sabor :'(

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *