Quero ser feliz também

A felicidade não é uma coisa plena. Não dá pra esperar as dívidas serem sanadas, todo mundo estar bem de saúde e o amor verdadeiro chutar a porta da frente, chamando alto seu nome. Aliás, a felicidade num é uma coletânea de fatores positivos, é um desalinho de tudo, o balanço entre o que existe de ruim com tudo que existe de bom na vida da gente.

Felicidade num se espera, se convive. É um estado de espírito. Já é sabido que nessa vida há coisas que a gente não tem controle, porque ficarmos sofrendo por elas, afinal?

Eventualmente você vai ver alguém que ama muito morrer. Os carros batem, os empregos se perdem, as doenças chegam, você termina o namoro, o casamento, os filhos se rebelam… A infelicidade sim, essa caminha, impetuosa, por entre os dias e você,ocasionalmente, pode desviar dela. A questão é que a gente precisa ter problemas, muitos deles, aliás. Porque são eles que fazem a gente ter parâmetro: a gente precisa saber aquilo que dói pra reconhecer o que conforta.

Precisamos parar de reclamar e deixarmos de ser miseráveis, para isso existe, nos momentos de angústia,  o contentamento:  quando você aprende a estar feliz em toda e qualquer situação, deixar o drama, a autopiedade e o mal humor o mais distante possíveis; pra viver melhor.

É claro que a minha vida (nem a de ninguém) é perfeita. É claro que não somos felizes o tempo inteiro, mas a angústia, quando a gente deixa, consome. A inveja, o ciúme, o rancor também, pelo menos, pra mim. Não fico mais me angustiando com as coisas que eu gostaria de ser, os lugares que eu ainda não visitei ou as coisas que eu não tenho. Me concentro naquilo que eu posso ser e, desde então, encontrei a solução pro meu perfeccionismo desenfreado, pros meus sem número de expectativas que me deixavam ansiosa – e decepcionada – comigo mesma.

Sugiro a todos que se auto-exercitem. E deixem para maldizer a vida só em jogo de futebol.

(porque a mãe do juíz tá aí pra isso.)

 

Você também pode ler

18 Comentários

  1. Oie Ericka, vim retribuir a visita e já estou seguindo flor, lindo teu cantinho! Seja mto bem vinda lá no meu bloguito flor, fico mto feliz em tê-la por lá.

    O post está perfeito, amei!

    Aqui está o post onde falo sobre minha conversao ao islam:

    http://meuamorpaquistanes.blogspot.com/2011/04/como-me-converti-ao-islam.html

    Eu sou de família católica, mas nunca me identifiquei com o catolicismo, fui evangélica durante + ou – 10 anos e faz 1 ano e 7 meses que me converti ao islam. Nao me converti por amor, nao sou a favor de se converter por amor a um homem e sim por convicçao e certeza da religiao que se está abraçando. Conheci meu noivo 1 mês após minha conversao e relutei bastante pq na época eu nao queria mto me envolver com ninguém, mas nao teve jeito, hehehe.

    bjiimm e ótima 5ª feira

    http://meuamorpaquistanes.blogspot.com

    http://muslimahfashionn.blogspot.com/

  2. Mas sabe qual é o problema?As pessoas querem ser felizes o tempo todo.Esta todo mundo acreditando em comercial de TV,em que todo mundo esta sempre feliz.
    Ninguém quer ser mais ou menos,todo mundo quer ser rei,aí não dá.Muita estrela para pouca constelação,como já dizia Raul Seixas.

  3. Fiquei aqui pensando o que comentar… em como tenho que aprender a ser feliz com o que eu tenho, em como já sou feliz em alguns momentos, e simplesmente não soube o que escrever.

    Só sei que a vida é tão intensa e tão imprevisível que o viver deveria ser o maior fator pra nossa felicidade!

    beijos, adorei denovoooo o texto!

  4. Amiga você tem escrito coisas que toca lá no fundo hein!
    Tem feito eu pensar muito em várias coisas que sempre fico adiando em minha vida.
    Me faz bem sempre dar minha passadinha diária e ler seu post.
    Obrigado
    Tenha um Lindo final de semana
    Mil Beijos
    Rose

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *